Quarta-feira, 18 de Março de 2009
Sonhos de sal

 

Os Sonhos. Sempre me fascinei pelos Sonhos. Não aqueles que comandam a vida, projectos oníricos ou suspiros por aquilo que queremos vir a ter ou a fazer. Falo dos Sonhos fabricados enquanto dormimos. Meros devaneios sem grande sentido, farrapos de experiências misturados num enredo sem princípio nem fim? Ou memórias recalcadas de outras vidas passadas, experiências de estados de consciência alternativos? Isto inquieta-me profundamente.

A minha primeira onda foi um tubo perfeito. Um longo tubo numa direita, em nenhures. Eu e uma parede azul translúcida iluminada pelo sol que me envolvia num bruar interminável. Aquela impressão no estômago, a adrenalina, a alegria imensa, a sensação de tempo estático. A minha primeira onda foi apanhada numa Winchester azul clara. Lembro-me de tudo isto como se fosse hoje, como se tivesse aberto agora os olhos da cabeceira da almofada e me tivesse sentado na cama com o sorriso mais atónito do mundo - "mas-que-é-que-me-acabou-de-acontecer?". A minha primeira onda foi fruto do meu pensamento. O primeiro tubo do qual saí desembocou no estado de vigília, directamente para dentro do meu quarto. Será possível?
Fosse por tanto ler, ver, ouvir falar, fotografar; fosse pelo desejo crescente em mim de surfar, como foi possível viver no meu Sonho algo tão perfeito, tão próximo do real?
Passado pouco tempo larguei os pontões, a máquina fotográfica e o medo de não ser capaz e fiz-me ao mar. A minha primeira onda real não foi um tubo perfeito. Longe disso. Foi no Barbas, rodeada de crowd, numa Genesis UltraBat amarela emprestada, num dia de meio metrinho. A minha primeira onda real não me surpreendeu de todo. Quase me desiludiu porque, incredulamente, já havia experienciado uma sensação semelhante, mas infinitamente mais poderosa.

Felizmente, com o passar do tempo, já vivi muitas ondas iguais ou ainda melhores ainda à do meu Sonho. Mas o que me inquieta mesmo, em tudo isto, é o poder da mente. Como posso eu ter sonhado algo que se veio a revelar, postumamente, tão real? Como posso ter tipo eu a perspectiva visual e sensorial de dentro de um tubo, os preceitos e maneirismos, mesmo antes de os ter vivenciado? Ou será que noutra vida, noutro universo paralelo, já me terei feito ao mar?

 

A minha primeira onda foi perfeita. Foi especial. E será para todo sempre inesquecível. Partilhada da minha mente, para mim mesma. Vinda dum swell feito da mesma matéria de que se fazem os Sonhos.

 

Também em:

palavrascomsal.blogspot.com/

memorizado por LaraR às 01:57
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Olinda Gil a 18 de Março de 2009 às 15:12
http://blogtailors.blogspot.com/2009/03/emprego-tecnico-de-comunicacao.html

Comentar post

Eu sou...
tags

todas as tags

Tempo dividido...
Pesquisa
 
Dezembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
Memórias Recentes

Podia ser tão fácil como ...

Ousar e Vencer

Some summer memories...

Na Onda da Rita

Madeira: um sonho aqui tã...

Guaranteed

Dream as if you'll lve fo...

Madeira das massas...

Boilling Point

Terceira Etapa do Circuit...

Tempos Passados

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

subscrever feeds