Segunda-feira, 9 de Julho de 2007
Em dia das Maravilhas do Mundo...
Passo um ano inteiro a suspirar por uma coisa: Verão. E o pior é que passo depois todo o Verão a suspirar por outra: Inverno. Confusos? Eu explico.
Quando se vai quase diariamente a um sitío, penso que é comum a todos, passamo-lo a considerar como a nossa segunda casa. Assim sou eu com a Costa da Caparica. O meu cantinho, o meu quintal com vista para a imensidão do mar. Lá deixo à deriva os meus pensamentos e faço-os depois regressar, renovados, frescos, optimistas. A vastidão da paisagem, solitária. O som uníco do mar que vai e vem. O cheiro a maresia, o vento que crispa a pele. Até a chuva, ali, se torna sedutora.  Tão bom a praia no Inverno mas... ai que saudades do calor, do corpo bronzeado, dos fins de dia adiados... .
Eis que chega o Verão. Com ele a inevitável invasão do meu refúgio. Chegam as primeiras famílias. As crianças embirrentas, as barrigas de cerveja e a celulite a escorrer do biquini. As geleiras, os chapéus de sol e toda uma panóplia de mobília de praia. Houvesse tomadas e a televisão também vinha.  As beatas e o lixo acumulam. Existe ainda o cheiro enjoativo do protector solar e a cadência sonora do mar, abafada, violada pelo latir dos cães, do "Ó Ágata Soraia não comas areia filha, raios parta a miúda, a culpa é tua Quim Zé que passas as noites todas fora de casa!"
*
Duas horas e meia de trajecto foi o que demorei no Sábado para poder pisar o areal da minha Costa, do meu oásis invadido. Parece que para deserto aquilo estava com beduínos a mais. E alguns dos camelos, saltaram mesmo para trás do volante. Valeu-me então a companhia da minha co-piloto e o surpreendente estatuto rodoviário de duas morenas dentro dum carro com tecto de abrir. Algures no código da estrada masculino tal deve ser sinónimo de "cedência de passagem" com obrigatoriedade de sorrir e acenar. Melhor para nós, piscamos o olho e siga por entre o trânsito! Caso contrário, talvez tivessemos demorado mais uma horita, na melhor das hipóteses.  Apesar da viagem à partida já se prever atribulada e penosa, a perspectiva da barriguinha ao sol com a minha mana deitando conversa fora, valia até o circuito a pé!

Dia sete do sete de dois mil e sete foi deveras um dia especial. Foi definitivamente o dia da maior Maravilha do Mundo: a Amizade. 
Estou...:
ouvindo...: Gentleman claro!
memorizado por LaraR às 00:17
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Olinda Gil a 9 de Julho de 2007 às 12:30
Ai como te entendo... Já nunca mais hei-de-conseguir dias inteirinhos na praia, com a praia só para mim... Já passou o tempo em que as praias alentejanas eram pouco conhecidas... em que éramos só nós, as gaivotas e os corvos... Agora, nem nas praias selvagens, como os Porteirinhos, Amália e Malhão se consegue a solidão...

Beijos!***

Comentar post

Eu sou...
tags

todas as tags

Tempo dividido...
Pesquisa
 
Dezembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
Memórias Recentes

Podia ser tão fácil como ...

Ousar e Vencer

Some summer memories...

Na Onda da Rita

Madeira: um sonho aqui tã...

Guaranteed

Dream as if you'll lve fo...

Madeira das massas...

Boilling Point

Terceira Etapa do Circuit...

Tempos Passados

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

subscrever feeds