Domingo, 2 de Setembro de 2007
A Morte contada aos Vivos

Diz Schopenhauer que “A morte é o génio inspirador, a musa da filosofia. Sem ela ter-se-ia dificilmente filosofado”. A Morte atravessa tempos e culturas porque ela é o que está por detrás das grandes interrogações da humanidade, às quais ainda ninguém pôde responder: qual é o sentido da vida se estamos destinados a morrer? O que existe para lá da Morte?

 

O que existe para lá da Morte não sei, nem pretendo vir a saber tão cedo. Se há algo que eu Amo é a vida, é viver e PARAR para SENTIR que estou a VIVER. Faço-o em cada gargalhada, em cada lágrima, em cada palavra de amor... em cada milagre da natureza que tenho o privilégio de aproveitar, seja numa onda perfeita, seja em mais um pôr-do-sol... .

Muita gente me pergunta o porquê e torce o nariz quando explico o tema da minha tese. Ser confrontado a todo o momento com a perpectiva da nossa própria efemeridade é deveras arrasador. Ainda para mais, fazendo-o numa perpectiva cientifíca. Ainda para mais, fazê-lo na força da juventude, no tempo dos sonhos ainda por realizar. O que me fascina afinal neste tema? Dou-vos uma pista: os últimos dias têm sido exemplares. Dez anos após a sua morte Diana continua a ocupar a agenda pública. E a sua ausência torna-a mais presente do que nunca.

A Morte é, em si mesma, o maior antagonismo que existe. É, em última análise, ausência de Vida, mas é apenas nessa ausência que ela tem poder para existir. A Morte de pessoas famosas constitui hiperbolização desta mesma capacidade: tornam-se mais presentes do que nunca, depois da sua ausência. Diana vive, revive, renasce a cada imagem, a cada testemunho, a cada lembrança. Um acontecimento passado, mas que se arrasta dia após dia e se alimenta de si próprio, desdobrando-se num perpétuo de pseudo-acontecimentos. Cada data especial à personalidade adquire aura, torna-se sagrada, sacralizada.  A Morte  de um famoso não é o fim em si mesmo, mas a "coroação" - para  utilizar a expressão de Dayan e Katz - da sua própria Vida. É a cristalização de um mito, outrora vivo, agora remitificado. Aqui o Tempo não tem poder destrutivo. Os verdadeiros Mitos sobrevivem-lhe e ganham cada vez mais forças através dele, subsistindo numa memória colectiva que insiste em não esquecer, mas relembrar para sempre.  Celebrar.

O que realmente me fascina é que aqui...

... a Morte é, ironicamente, a Vida perpetuada.

Estou...:
ouvindo...: Carlos Paredes - Movimento Perpétuo
tags: ,
memorizado por LaraR às 02:08
link do post | comentar | favorito
|
Eu sou...
tags

todas as tags

Tempo dividido...
Pesquisa
 
Dezembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
Memórias Recentes

Podia ser tão fácil como ...

Ousar e Vencer

Some summer memories...

Na Onda da Rita

Madeira: um sonho aqui tã...

Guaranteed

Dream as if you'll lve fo...

Madeira das massas...

Boilling Point

Terceira Etapa do Circuit...

Tempos Passados

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

subscrever feeds